3 de setembro de 2011

Garimpeiros e um mar de sensações

Se fosse possível numa cidade “garimpar-se música”, Quelimane, não só pelos palmarés e por se ter transformado pelo ritmo e dança num “pequeno Brasil”, podia candidatar-se. Foi naquela cidade onde, a 22 de Abril de 1996, Ney Gany, Dolly Gany, Cangão Monteiro, Chandu Biriba, Constantino (falecido), Iracema, Fizó, Neyde e Edito inventaram Os Garimpeiros constituído actualmente por 5 elementos, Ney Gany, Dolly Gany, Cangão Monteiro, Pappy Miranda e Euridse Jeque, Os Garimpeiros, mesmo tocando todos os ritmos, fariam do zouk a sua praia. Fariam com que a música soprasse do Centro do país e se tornasse numa das referências da música jovem. Agora, com toda a maturidade que se pode dar a uma verdadeira banda, Os Garimpeiros aparecem no “Music Box Live” de hoje, às 22h00, na STV, para um espectáculo.

Quando passam 15 anos depois da sua criação, a banda parece ter conseguido o propósito da sua criação: revolucionar a música zambeziana como justificou Ney Gany.
“Quando fundámos a banda, tínhamos como objectivo revolucionar a música zambeziana, trazendo à sociedade os assuntos relevantes que possam contribuir  para o seu bem-estar, veiculando os problemas, o sentimento afectivo, a alegria do povo.”
A entrevista que tivemos com Ney Gany, o rosto dos convidados do “Music Box Live” de  hoje, foi-nos levando para essa preocupação social e a sua realização como banda, para além desse sentimento ímpar de fazer parte deste evento.
Por que a música e não uma outra forma para chegar a esse povo?
Por que não tínhamos como fugir dela. Trata-se de um dom de família. Os elementos que fazem parte dos Garimpeiros são filhos de músicos, que em seus tempos marcaram a Zambézia.
Hoje, 15 anos depois da criação da banda, pode-se escolher momentos marcantes?
Foram vários momentos. Uma das marcas é a nossa primeira viagem, num Cross Roads, em 1999, onde concorremos com músicos de todas as províncias do nosso país e outros da SADC, e ficámos em 3º lugar. Em 2001, lançámos o nosso primeiro Cd, intitulado “Mar de Sensações” pela J&B Recording, com a co-produção do músico angolano Yeyé. Já fomos considerados a melhor Banda do Ano; Melhor Voz e melhor música. Ficou também em nossas memórias a viagem que fizemos por todo o país em espectáculos, colhendo na fonte o calor dos fãs.
Quais são os planos da banda?
Neste momento, existe um Cd já gravado, com o master concluído, estamos à procura de uma editora para sua edição. Por outra, havendo parceiros, pensamos fazer uma edição independente. Depois da edição do referido Cd, pretendemos gravar um DVD com os temas que fizeram maior sucesso.
Como se definem como banda?
Como banda definimo-nos como jovens humildes, trabalhando em prol da cultura zambeziana vs moçambicana, buscando a preciosidade do garimpo.
Quando é que a banda começa a sentir que está a fazer sucesso?
O 1º sucesso da banda foi aquando do lançamento do 1º Cd, e depois no 2º e 3º. Daí, a nossa editora fechou e até então não voltamos a editar, somente fizemos alguns vídeos e espectáculos.
De que depende a realização da banda?
A nossa realização depende mais de oportunidades. Pois as outras ferramentas nós já as temos, tais como música, talento, dedicação, humildade e responsabilidade.
O que impulsiona o grupo a continuar na música?
O que nos impulsiona a continuar na música é o vulcão que existe dentro de nós, querendo sempre soltar suas lavas para fora, é como uma nascente de água que nunca seca, que se transforma em rios, mares, que anseiam desaguar em oceanos. A ideia é seguir em frente, contornando os obstáculos como a água contorna os obstáculos que encontra e toma a forma do lugar por onde passa. Acima de tudo, sentimos muita responsabilidade pelos fãs, pessoas que nos encorajam para nunca parar.
Quais são as vossas perspectivas na música?
Nossas perspectivas: levar a nossa música ao topo da parada, continuar a romper as fronteiras levando o melhor da música moçambicana. Garimpar, garimpar, garimpar até lapidar o garimpo que existe em nós.
Em que banda internacional se inspiram?
Os compositores têm inspiração própria, gostam do estilo de Lokua Kanza, Michael Jackson, Monique Seka e Ivete Sangalo.
O que acha da ideia da STV, de promover espectáculos em banda?

É uma iniciativa de alto relevo, criada no momento certo, por pessoas sérias, que vão levar a música moçambicana a um porto seguro. A STV está de parabéns.


Jornal o Pais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todas as músicas fornecidas neste blog são apenas para o uso promocional, umas enviadas pelos próprios artistas e outras fruto de pesquisa por tanto, qualquer reclamação do artista/agente, o artigo será removido imediatamente!

O Blog não assume qualquer responsabilidade por qualquer uso ilegal do conteúdo.

Por favor, compre sempre os CDs originais, apoie os artistas e a sua arte.

Músicas Zambezianas / O encontro de gerações | Todos os direitos reservados: © Knnon Beirão ©2020